O rebanho bovino está sujeito a várias moléstias que trazem diversos prejuízos, dentre as doenças podemos encontrar a mastite, tristeza parasitária bovina, brucelose, tuberculose, febre aftosa, leptospirose, doença do casco, entre muitas outras.

Citamos aqui as mais comuns em propriedades rurais e que vem causando sérios danos aos produtores e criados de gado de leite e de corte.

Doenças mais comuns que acometem o rebanho bovino

Mastite: Caracteriza-se por uma inflamação da glândula mamária, que geralmente é causada por uma infecção que pode ser de diversos tipos de microrganismos, as bactérias são as mais comuns. Essa é a moléstia mais comum nos rebanhos leiteiros. Os microrganismos estão normalmente disseminados no solo, utensílios, dejetos, água ou outros locais e podem atingir a extremidade da teta a partir daí. Então todo cuidado e manejo adequado são essenciais.

Tristeza parasitária bovina ou babesiose: É uma infecção causada por protozoários do gênero Babesiasp. e Anaplasmasp., devido ao clima tropical quente e úmido do Brasil, a moléstia encontra condições ideais para o seu desenvolvimento, causa grandes prejuízos à bovinocultura, pois além dos custos requeridos para seu controle e tratamento, causa a diminuição da produtividade ou até mesmo a morte do animal. A doença causa anemia, fraqueza, febre, constipação, icterícia, depressão, desidratação, falta de apetite e respiração ofegante.

Brucelose: Pode ser transmitida do animal para o homem através da ingestão do leite não pasteurizado, queijos e em contato com o sangue ou esterco dos animais doente. A doença é causada pela bactéria Brucellaabortus, provocando abortosem vacas em torno de 6-7 meses de gestação.

Tuberculose: É também transmissível ao homem, pelo ar ou via entérica (intestino), causada pela Micobacteriumbovis. A evolução da doença é crônica, caracterizada pela formação de tubérculo, bem como lesões em gânglios, brônquicos e/ou mediastínicos. Os animais doentes apresentam dificuldade respiratória, tosse seca e fraqueza geral.

Febre Aftosa: É uma moléstia viral altamente contagiosa. Os principais sintomas são febre alta, salivação, depressão, cansaço, anorexia e andar coxo. A prevenção se dá por meio da vacinação dos animais a cada seis meses, a partir dos três meses de idade.

Leptospirose: Causada pela bactéria LeptospiraSp, que aloja-se nos rins e fígado, a leptospirose causa hemólise ou destruição das células vermelhas do sangue. A transmissão se dá por meio de contato com outro animal infectado, água e alimentos contaminados. Os principais sintomas são a urina avermelhada, abortamento e queda acentuada na produção de leite.

Doenças do casco: Caracterizada por um conjunto de doenças que afeta a extremidade dos membros incluindo pele, tecidos subcutâneo e córneo, ossos, articulações e ligamentos, as doenças de casco, representa uma das principais doenças que acometem o gado.

Vários são os processos inadequados que causam o desenvolvimento dessas e outras moléstias nos animais. A falta de conhecimento dos produtores faz com que o número de animais com estas doenças aumente. Consequentemente, aumenta a demanda de profissionais que tenham conhecimento sobre o assunto e, principalmente, que saibam realizar os primeiros socorros adequados para garantir a sobrevivência dos animais.

Fonte: Revista Veterinária

Share This